para maiores de 18 anos

21
fev 2016

“Amo meu filho, mas estou detestando ser mãe”. Mulher rejeita ‘desafio da maternidade’ e tem perfil bloqueado no Facebook

 
publicado em: educação sexual, estudos de gênero, feminismos
por: Julieta Jacob
 

Eu cheguei a ler o comentário de Juliana Reis na íntegra pouco tempo depois que ela o publicou no facebook. No dia seguinte, para minha surpresa, soube que o perfil dela havia sido bloqueado devido a inúmeras denúncias e críticas. E o que de mal Juliana fez? Eu poderia dizer simplesmente “nada” (porque, de fato, não fez nada). Mas, para muita gente, ela cometeu um grave crime: desconstruir a ideia romantizada da maternidade.

juliana melo_ok

Juliana com o filho Vicente, de três meses. Foto: reprodução/Facebook

Juliana rejeitou o tal “desafio da maternidade” (que propõe que as mulheres postem fotos que demonstrem como é bom ser mãe) e propôs o desafio que chamou “maternidade real”. Juliana é mãe de Vicente, de três meses, e em seu depoimento, (maravilhoso, aliás – leia um trecho abaixo), ela teve coragem de compartilhar seus medos, dificuldades e angústias mais íntimas em relação à maternidade.

“Amo meu filho, mas estou detestando ser mãe”, desabafou. E foi crucificada por isso.

Eu imagino que a maternidade seja muito gostosa para muitas mulheres (não necessariamente fácil), mas acho ultra necessário desconstruir a ideia de que ser mãe é viver num mar de rosas ou dentro de um comercial de margarina.

O bloqueio do perfil de Juliana causou indignação em muitas mulheres, que começaram a compartilhar suas experiências “reais” sobre a maternidade usando as hashtags ‪#‎MaternidadeReal‬ e ‪#‎TamoJuntaJuliana‬.

Juliana já se pronunciou afirmando que não está com depressão pós-parto e que a sua opinião reflete o que realmente sente.

12742655_927264987343396_8291004326415520496_n

Trecho do depoimento de Juliana publicado no Facebook.

Na página do Erosdita no Facebook, o assunto gerou polêmica e uma belíssima debate entre mulheres (com muito respeito e educação, diga-se) #orgulhodanado.

Selecionei alguns comentários agrupando quem elogiou a postura de Juliana e quem discorda da opinião dela:

Leitoras que elogiaram a postura de Juliana: 

– Parece que as mulheres são obrigadas a engravidar e mais ainda, a amar a posição de mãe. As pessoas preferem viver de ilusões do que de honestidade.

– Sou mãe de uma linda filha de 22 anos. Amo ela, por ela mato e mordo, mas se me perguntarem sobre a maternidade eu digo abertamente que não foi uma boa experiência, e dane-se quem pensa o contrário.

– Estou grávida de 28 semanas e desde a primeira semana não sou eu mesma. Estou encantada com a ideia de ser mãe, de ter um bebê, mas o processo é largo e doloroso. Já não tenho posição para dormir, me canso e colocar as meias é cada dia mas complicado. E quando digo que ter um filho é lindo, mas estar grávida não é um sonho, me olham com cara feia.

– Nunca vi um depoimento tão realista e lindo em relação a esse assunto! Juliana, tô contigo.

– A maternidade não é um mar de rosas, quem inventou a família de comercial de margarina deve ser alguém muito sozinho e iludido.

– Nós já não estamos cansadas de ver/ouvir/ler o quanto a maternidade é o paraíso na terra? Em todos as meios é isso que vemos. E não, nenhuma mãe que eu conheço vê a maternidade como um paraíso, mesmo as que gostam de ser mães.

– Tem muita mãe infeliz e frustrada porque teve filho acreditando nesse papo de conto de fadas e viu que a coisa é bem trabalhosa e complicada.

– Ninguém bota foto dos momentos tristes no facebook. Dos momentos de stress, dos momentos difíceis. Olhando a timeline, você acha que a vida de todo mundo é linda e perfeita, super feliz, tudo são flores. Mas isso não é a realidade. No fim, foi bom. Essa discussão toda não teria surgido sem o post dela (de Juliana).

– É porque a maioria das pessoas está acostumada a viver de ilusão e querendo que os outros acreditem que suas vidas são perfeitas, ao que o Facebook se presta muito bem a incentivar. Um absurdo recriminarem essa mãe e absurdo maior sua conta ser excluída.

– Também amo minha filha, mas é difícil pra kct ser mãe e ninguém é obrigado a gostar, entendo perfeitamente ela não gostar.

– Muito booooom a verdade dói , totalmente a favor da descontração do “ser”mãe .

Leitoras que discordam da postura de Juliana:

– É a falta de maturidade pra lidar com a maternidade que nos faz sentir assim. A partir do momento que você amadurece sua mente como mãe, você aprende a abraçar isso. Mas tem que partir única e exclusivamente de você.

– Não é porque a Juliana está numa fase trash da maternidade (essa fase é punk mesmo) que ela odeia ser mãe, né? São somente 3 meses desenvolvendo esse papel.

– Realmente é sublime ser mãe/pai, mas fácil não é. Cada etapa da vida da criança, adolescente, adulto, tem suas peculiaridades, seus desafios. Isso não significa que não amemos nossos filhos.

– Eu postei as minhas fotos e repito: ser mãe não é fácil meeeeeesmo. Mas me faz muito feliz.

– Acho que ela escreveu tudo isso num desses momentos de desespero e foi muito triste nas palavras…. não entendo uma pessoa amar o filho e detestar ser mãe.

– Jamais diria que detesto ser mãe. É cansativo e realmente não é um mar de rosas assim com em qualquer coisa, a vida em si não e um mar de rosas, independente com ou sem filho. A gente se desespera sim, surta sim, mas também morre de amor, de orgulho, de alegrias, de risadas, não me vejo sem meus filhos, com todas as dores, preocupações, angústia, cansaço etc. Amo ser mãe. Quem não ama ser mãe não devia parir, muitas mulheres dariam tudo para ter o privilégio de ser mãe e não podem.

– Não sou uma mulher frouxa, sou mulher madura o suficiente pra dizer que a maternidade não foi nenhum pouco fácil e depois não saio reclamando de algo que eu não me cuidei pra evitar. Ser mãe não é pra qualquer menina que acha que está brincando de boneca e depois de cansa.

– Isso me fez pensar na minha relação com a minha mãe e como ela encarou cuidar de mim. Acho que ela teve uma relação de amor e ódio com a maternidade. Ela era louca pra ser mãe, queria que eu fosse uma bonequinha. Quando viu que eu não era assim, começou a desandar. Às vezes a gente tinha (e ainda tem) umas brigas feias, e algumas vezes ouvi ela falar “não sei pra que eu quis ser mãe, só pra ouvir desaforo”, e outras coisas do tipo que a gente fala em momentos de raiva. Mas não significa que não tenhamos tido bons momentos. A maior verdade já dita sobre a maternidade : ser mãe é padecer no paraíso. E é assim pra sempre.

E você, o que pensa sobre a maternidade? Deixe a sua opinião nos comentários!

 

Compartilhe este post e seus comentários

14 comentários
  1. Cláudia
    fev 22, 2016

    Minha experiência como mãe foi dolorosa, sofri, chorei, e também me revoltei… como essa moça falei abertamente sobre esse papel ridículo que a sociedade impõe para a mulher, e sabe o que ouvi? vc é uma vagabunda… Em nossa sociedade é muito valorizado e bem recebido o sofrimento com a retidão e aceitação de dentre outras coisas (não dormir, não ir ao banheiro, não sair , abdicar do seu ser etc…), o ibope é maior do que ter uma mãe bem resolvida e que fala a real sobre a maternidade. O marketing é intenso para dar continuidade a venda de fraldas seja elas de pano ou não… fora isso, esse tal empoderamento da maternidade sob a roupagem da vida mais natural também é para vender produtos e controlar a materna que sai da linha com um complemento artificial. Verifiquei algumas mulheres e no final olham para seus filhos e dizem… eu abdiquei da minha vida por você! Isso é a maternidade perfeita? você jogar suas expectativas em um filho? isso é amor? selfies em uma rede social onde tudo são máscaras? as pessoas vendem aquilo que o outro compra, e essa meleção referente ahhhh ser mãe é a melhor coisa do mundo é para quem quer comprar, ou pode ser que realmente seja fantastico essa sensação para algumas mulheres, mas nem todo mundo é igual, nem todo mundo sente, pensa e age igual. Parabéns moça! e sim eu amo muito minha filha!

    • Maria
      fev 24, 2016

      Isso mesmo. Parabéns pela sinceridade. Vamos acabar com a hipocrisia. Quem sabe o mundo não melhora qdo as pessoas virem as coisas como elas realmente são e possam fazer escolhas mais conscientes.

  2. Isadora Pinheiro
    fev 24, 2016

    Eu tenho 4 filhos…desde sempre quis ser mãe ….e sou apaixonada pelos meus filhos que hoje ja são adultos. Acho que ser mãe é uma questão de vocação. ..e nem todas tem essa vocação. A materninade não é perfeita como nada na vida é. Acho que 3 meses é pouco pra tecer opinião sobre o assunto…foi um depoimento mais baseado num momento difícil. Não vejo problema em pessoas postando fotos de momentos felizes com os filhos…babando suas crias… tem gente que é feliz assim e tem prazer em dividir esses momentos. Cada um tem direito de viver como desejar , ter sua opinião e todos merecem respeito. Gostar ou não da maternidade é direito de cada um. Por isso mesmo todas deveriam pensar bem antes de engravidar porque depois não adianta reclamar.

  3. valter
    fev 29, 2016

    o q e ser pai e mae hoje ?

    • tatiana
      jul 20, 2016

      ser pai e mãe hoje é se responsabilizar, se implicar, se comprometer, abrir mão de muita coisa, de noites e noites de sono, de nojinho de limpar côco, de ter muita paciencia pra dar comida e insistir, de não estourar em cima da criança suas frustrações e desespero mesmo vc estando surtando porque não dorme há dias, não come , nao bebe água, nao toma banho. Qdo tem 2 pra cuidar aí não é tão punk. é se privar de usar seu dinheiro pro que vc gosta, mas pra criança.então na verdade é concessão o tempo todo.

  4. Renata Oliveira
    mar 02, 2016

    Minha opinião no meu post foi bem clara … lá tinham as fotos dos momentos marcantes (alguns deles)
    mas que não é fácil não é mesmo … hoje minha filha tem 16 anos uma idade que só pela misericórdia de Deus … porque ou vc deixa fazer o que quer ou não tem paz dentro de casa …
    Eu amo minha filha sim … mas realmente ser responsável pela criação de caráter de uma pessoa não é fácil, pois não depende somente de nós , cada fase é uma … e cada uma tem dificuldades diferenciadas.
    Eu amo minha filha mas não curto ser mãe … e este é um direito meu e não uma falta de entendimento ou experiência afinal anos já se passaram …

  5. Estefânia Tiepo
    mar 02, 2016

    Sonho em ser mãe desde que me conheço por gente… agora, no auge das 38 semanas, me pego pensando onde está todo o glamour da maternidade…
    Também sou apaixonada pelo meu filho, que ainda está por vir, mas, já tenho plena consciência de tudo que estou passando e vou passar.
    Costumo dizer que, com a experiência, descobri que amar pura e sinceramente, dói (física e emocionalmente)!

  6. isabely frauzin
    mar 02, 2016

    Para mim ser mãe é colaborar com Deus, pois Ele ama as mães e nossos filhos. pois a bíblia diz que os filhos são herança do Senhor.
    Eis que os filhos são herança do Senhor, e o fruto do ventre o seu galardão. pence bem o diz a moça que está sendo mal interpretada. ela assim como todas as mulheres tem uma responsabilidade muito grande, de cuidar dos filhos, fazer deles cidadãos do céus! isso é uma responsabilidade maior é das mães! ela está certa nunca mais mulher nem uma terá paz depois de cer mãe. não falando das terríveis dores física e na alma que fica na vida das mulheres.
    sou mãe de 4 filhos, uma morreu na hora do parto fórceps sofreu muito eu e ela que veio a falecer enforcada, pois veio pelos pés e parou no pescoço e morreu. Um aos doze anos entrou com desobediência aos 18 anos contaminou com HIV e faleceu aos 23 anos. então cer mão sofrendo tudo isso alguém acha que não deixa marcas profundas? Só Deus em sua infinita bondade pode trazer cura para mães que passa por tudo isso e muito mais. Quero dizer que amo meus filhos mas não gosto que passei!
    Digo também que Deus sabia que esse papel só é possivel de cer realizado nas mulheres, nós somos corajosas sofremos muitas vezes calada, choramos sozinhas em fim matamos um leão por dia para defender nossos filhos. por isso em tudo que passamos precismos temer ao Senhor, pois a mulher que teme o Senhor essa sera louvada. Isso o que a Bíblia diz. quero deixar uma reflexão para todas as mulheres que ler esse comentário.

    Ser mãe é receber o dom Divino de gerar a vida. Mas muito mais que isso, ser mãe é ter o dom supremo do amor incondicional (I Coríntios 13),

    • tatiana
      jul 20, 2016

      Me pergunto se Isabely está certa sobre se ser mãe é um dom pras mulheres porque são ” mais fortes” ou se isso é pura idelogia de uma sociedade machista que joga essa de toma pra vc q é mais forte, pra que o homem continue no lugar de privilégios que sempre teve, como salários mais altos, uma permissão pra fazer tudo q quiser, ser promíscuo por ex e isso ainda se reverter a seu favor, de ser uma qualidade (garanhão), etc, etc, etc..

  7. Ronaldo
    mar 12, 2016

    Maioria das pessoas que negam, apenas recalcam sentimentos, utilizam de mascaras como religião, Deus, a ideia romantizada de maternidade. Pessoas não entendem que desabafar os momentos desagradáveis também é bom, tem que por pra fora, em vez de ficar se negando e criando desculpas. Vamos aprender a respeitar o sentimento alheio, ninguém nesse mundo é obrigado a gostar de ser mãe, pelo menos ela admite. Enquanto vejo muitos pais por aí que apenas fingem serem bons pais, mas são terríveis e dizem que tudo está uma maravilha e assim cresce um individuo traumatizado, porque criança não é burra, ela percebe tudo.

  8. Patricia
    jun 27, 2016

    Sempre quis ser mãe, era uma necessidade de resgatar minha história e não cometer os erros que minha mãe cometeu e as diversas situações de abandono que fui submetida, tinha a sensação de que só teria uma família quando tivesse um filho, minhas irmãs, que já eram mães, diziam que não era bem como eu imaginava e eu não entendia como diziam amar os filhos e tinham uma ideia tão desencantada da maternidade. Bem.. tenho uma filha que hoje tem quatro anos, morreria por ela, mas quando lembro das noites acordadas, dos muitos momentos de desespero, das provas de Hércules para ser mãe, trabalhar fora e fazer mestrado, além de abrir mão totalmente de ter uma vida social fora dos parques infantis… hummm. Minha filha é fundamental, a realização de um sonho, mas a realidade é que jamais teria outro.

  9. tatiana gagliardi vasconcelos
    jul 20, 2016

    O clichê é realmente o mais explicativo, é padecer no paraíso. Pra mim o desgaste da gravidez já sem dormir, depois os primeiros meses, tudo sozinha porque o pai não quis saber, ainda não tinha me feito repensar a escolha, em nenhum momento questionei minha escolha ou senti que não gostava de ser mãe em algum momento, apesar de ter ficado esgotada e praticamente me anulado. Agora passados 2 nos eu estou bem esgotada. Acho que vai muito do apoio que a pessoa tem para ser mãe. Desde a sociedade e o respeito às preferências em fila e tudo mais até a família. O apoio do avós do pai. Quem não tem apoio nenhum da família paterna e do pai e de quase ninguém não tem como curtir muito a maternidade não, porque vc simplesmente não tem energia física. Acho que o estereótipo de mãezona, de “mãe é mãe” só serve à sociedade machista que insiste em isentar os homens de responsabilidade. E é essa sociedade onde vivem mulheres que criam irresponsáveis, que não assumem uma obrigação na vida, nem de evitar o filho nem de cuidar dele. Os homens hj em dia vivem a ilusão da irresponsabilidade e isso sobrecarrega a mulher, que acaba muitas vezes nem usufruindo o papel de mãe , o lado bom, porque tem que fazer o papel dois dois, e acaba se ferrando mesmo.

  10. celia maria gomes de freitas
    ago 08, 2016

    Ser mãe nada fácil tenho depressão.mas to viva pra ver meu filhinho lindo cresce.
    sou mãe solteira.desde que engravidei vi o sol nasce quadrado dia e noite chorando sem ajuda de ninguém
    trabalhado em casa de família muito difícil
    E hoje meu filho João Enzo esta com 2 anos tive que para de trabalhar pra ficar com ele.entao dois anos que não saiu pra lugar nenhum na namorei mais .Vivo so pra ele .e outa coisa eu tbem não aceito desafio nenhum

  11. Amanda
    fev 28, 2017

    Eu amo meus filhos, mas acho que a maior dificuldade de ser mãe é esse ser um papel que você tem que cumprir 24 horas ininterruptas por dia. Esta cansada ? Esta doente ? Esta de saco cheio ? Esta de mal humor ? Não ta afim ? Quer se matar ? Foda-se, vc é mãe =) E mãe tem que aguentar… afinal sempre vai ter um demônio do seu lado para dizer o quanto foi pior pra ele ou na época dele, e que a sua situação é boa pra caramba ! uau. As avós de antigamente, com 50 anos já eram senhoras que ajudavam ativamente nesta tarefa, hoje as avós querem mais é curtir e quem pariu mateus que o embale, dê seu jeito ! Cara… eu AMO infinitamente meus filhos, muito…muito mesmo ! Mas várias vezes me sinto amarrada… como um prisioneiro com aquelas bolas de ferro amarrada aos pés… eu adoro curtir e me divertir com meus filhos, mas tem horas que tudo o que eu queria era peidar sem ter ninguém pra dividir o cheiro comigo…sério mesmo.

Deixe seu comentário

Copyright © 2016 - Julieta Jacob - Todos os direitos reservados