para maiores de 18 anos

20
maio 2016

Pastora Ana Paula Valadão manifesta sua Santa Ignorância ao pedir boicote à C&A por coleção de roupas ‘sem gênero’

 
publicado em: educação sexual, estudos de gênero
por: Julieta Jacob
 

A pastora Ana Paula Valadão Oficial demonstrou sua ‪#‎SantaIgnorância ‬ao dizer, em seu perfil no Facebook, que a campanha da C&A do Dia dos Namorados “impõe” a ideologia de gênero (veja o vídeo no fim do post). Vamos refletir aqui comigo algumas coisas, pois não podemos deixar esse Tribunal da Santa Inquisição espalhar machismo, homofobia e preconceitos por aí:

ana paula valadão

A pastora Ana Paula Valadão disse que manifestou sua #SantaIndignação, mas na verdade ela manifestou a sua #SantaIgnorância. Foto: reprodução/Facebook

1) A ideologia de gênero NÃO existe. Trata-se de um factoide político pra causar histeria e arregimentar fieis e/ou eleitores em torno dessa ideia mentirosa. Cientificamente o que existe é a categoria “gênero”, mas falar em uma ideologia que quer “inverter” os gêneros, transformando homens em mulheres e vice-versa, ou “criando” um gênero neutro pra todo mundo é de um absurdo sem precedentes. Além disso, desde quando uma roupa define uma pessoa? O que dizer do look de Jesus Cristo de cabelão, sandálias gladiadoras e vestido? Aliás, pensamentos como esse apenas reforçam a importância de haver debate sobre gênero e diversidade sexual nas escolas – e na vida.

2) A pastora usou a tag ‪#‎SouFemininaVistoComoMulher‬ e eu pergunto: a que tipo de mulher ela se refere? Porque uma mulher não deixa de ser mulher porque vestiu calça e blazer, por exemplo. Usar o termo “mulher” para representar uma categoria universal que valha pra todas as mulheres simplesmente não funciona, pois a diversidade é enorme e o conceito de “mulher” é heterogêneo. Da mesma forma, “feminino” é um conceito extremamente subjetivo e ao mesmo tempo limitado por ser uma construção social e não pode jamais ser usado para qualificar e hierarquizar mulheres (se assim fosse, as mulheres “femininas” é que seriam consideradas “mulheres de verdade”. Jura? E todas as outras? Percebeu como não faz sentido?).

3) Ana Paula Valadão também demonstrou sua #SantaIgnorância ao usar a tag‪#‎HeteroSexualidade‬, afinal, a maneira como a pessoa se veste não tem absolutamente nada a ver com a orientação sexual dela. Presta atenção: identidade de gênero, expressão de gênero e orientação sexual são três coisas distintas. No mundo da pastora, todo mundo tem que ser cisgênero, heterossexual, toda mulher tem que ser feminina e todo homem tem que ser masculino (que mundo chato, hein?). Além disso, todo gay usa salto alto e toda lésbica usa gravata. Vamos abrir essa cabecinha, não é mesmo?

4) Mais uma #SantaIgnorância enorme com o uso da tag ‪#‎MonogamiaHeterosexualÉSexoSeguro‬. Primeiro: sexo 100% seguro não existe. Toda prática sexual envolve riscos. Segurança total só com a total abstinência sexual. Segundo: se duas pessoas comprovadamente saudáveis forem monogâmicas de verdade, o risco de haver contração de alguma DST entre elas é baixo – e isso NÃO é exclusividade de pessoas heterossexuais. O mesmo ocorre entre pessoas homo, bi ou assexuais. Não é a orientação sexual que define a segurança do sexo, mas sim o fato desse sexo acontecer entre pessoas sem doença prévia – e, de preferência, com proteção. Terceiro: o melhor ‪#‎sexoseguro‬ continua sendo o sexo com camisinha (masculina ou feminina). Quarto: não podemos desconsiderar a nossa ‪#‎SantaHipocrisia‬, né? Muitas pessoas que se dizem monogâmicas e heterossexuais transam com outras pessoas sem proteção e acabam espalhando DSTs para suas parcerias. Onde é que tá o sexo seguro? Isso só demonstra claramente como opera o discurso heteronormativo, que estabelece a heterossexualidade com se fosse “a melhor” e “mais natural” das orientações sexuais. Só que quando o assunto é sexo seguro, mais importante do que o “rótulo”, é o comportamento (prática) sexual das pessoas. Um homem, por exemplo, pode fazer sexo com homens e ainda assim se declarar como heterossexual. E aí, como é que fica?

5) Por fim, a pastora propôs um boicote à C&A, mas em vez disso nós vamos boicotar é o ‪#‎SantoPreconceito‬ dela. Essa Santa Inquisição definitivamente não passará!

Assistam à propaganda e me digam o que acharam. Eu adorei!

 

 

Compartilhe este post e seus comentários

2 comentários
  1. André
    maio 22, 2016

    Adorei o post! 🙂

  2. Paulo Falcão
    maio 22, 2016

    Essas igrejas só prestam desserviço à sociedade com sua postura excludente. Ou você faz parte do padrão ou não merece nem ao menos respeito. E são eles que acreditam que todos são filhos de Deus. A regra de ouro, amar ao próximo como a si mesmo, é jogada no lixo por interesses próprios e por preconceitos. Às vezes me pergunto por que desdenham tanto, será que querem comprar?

Deixe seu comentário

Copyright © 2016 - Julieta Jacob - Todos os direitos reservados