para maiores de 18 anos

2
jul 2017

Mostra erótica Cine Às Escuras chega à sua segunda edição

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

Mostra erótica acessível reúne curtas-metragens, um longa-metragem, oficina e mesa de debate para tratar da sexualidade. Evento acontece na UFPE e no Cinema do Museu/FUNDAJ nos dias 4 a 8 de julho. A entrada é gratuita e a censura é de 18 anos

 Texto: Victor Lacerda

Tratando da manifestação da sexualidade, Recife recebe a segunda edição do Cine Às Escuras – Mostra Erótica de Cinema Acessível, nos dias 4 a 8 de julho. O evento, pioneiro no estado, tem por objetivo o protagonismo e empoderamento dos corpos e desejos, tendo como foco a inclusão de pessoas com deficiência. As sessões acontecerão no Cinema do Museu/FUNDAJ e traz curtas de diversos lugares do Brasil e um longa-metragem paraibano. Já no Centro de Artes e Comunicação da UFPE, serão realizadas a oficina Audiodescrição em Filmes Eróticos e a mesa de debate O Erótico no Cinema Pernambucano. A censura é de 18 anos.

citrica

Curta-metragem “Cítrica” (SP) – Legendagem: Uma mulher magra, de pele clara, usa lingerie preta com sutiã transparente. Ela está sentada de perfil para direita com a perna esquerda flexionada, o tronco e cabeça pendentes para trás. Próximo à mulher, há um ventilador de mesa com fitas metálicas presas à grade dele.

“O Cine Às Escuras visa ser uma referência em acessibilidade comunicacional no audiovisual apresentando todos os curtas com audiodescrição, Libras e Legendagem para surdos e ensurdecidos”, afirma a coordenadora da mostra Andreza Nóbrega, da VouVer Acessibilidade. Para sua realização, o evento conta com o incentivo do Governo do Estado através do Fundo de Incentivo à Cultura (Funcultura Audiovisual) e a participação de audiodescritores, locutores, intérpretes/tradutores de Libras, legendistas e consultores com deficiência visual e surdos.

A oficina Audiodescrição em Filmes Eróticos, acontecerá no dia 4 de julho, às 14h, no Centro de Comunicação e Artes da UFPE (CAC) e apresentará os princípios e as particularidades da audiodescrição no universo da sexualidade e do erotismo. Para isso, refletirá sobre a sutilezas da tradução de cenas, tendo como referência as produções audiovisuais da primeira edição do Cine Às Escuras. Além de provocar os participantes para experimentarem os caminhos trilhados na elaboração de um roteiro audiodescritivo de filmes. A formação será conduzida por Andreza Nóbrega, coordenadora do evento e da VouVer Acessibilidade, que é mestre em educação inclusiva e especialista em audiodescrição com pesquisa no universo erótico. Os interessados podem solicitar a ficha de inscrição através do vouverescuras@gmail.com até o dia 2 de julho.

Ainda no dia 4 de julho e no mesmo local, será realizado o debate O Erótico no Cinema Pernambucano, com os realizadores audiovisuais Chico Lacerda, Ioanna Pappou e Ruth Steyer. A roda começa às 18h, logo após a oficina, e promete trazer um histórico de filmes locais que abordam temas como o desejo e a sexualidade. Os participantes ainda vão conversar sobre a produção dos próprios curtas, além do sistema de distribuição dos mesmos e a recepção do público em geral.

"Tupinikuirs" (PR) - Legendagem: Num terminal de ônibus, uma pessoa magra de pernas cabeludas, vista de costas e do ombro para baixo. Ela usa camisa branca de mangas compridas, salto alto e está encostada numa pilastra.

“Tupinikuirs” (PR) – Legendagem: Num terminal de ônibus, uma pessoa magra de pernas cabeludas, vista de costas e do ombro para baixo. Ela usa camisa branca de mangas compridas, salto alto e está encostada numa pilastra.

Para os dias seguintes de programação,  uma curadoria de produções foi feita por uma comissão formada pela cineclubista Amanda Ramos, a jornalista e educadora sexual Julieta Jacob, a professora de comunicação da UFPE Cristina Teixeira e a curadora Sara Mabel. Os curtas-metragens nacionais selecionados foram “Através” de Amina Jorge (SP), “Baunilha” de Léo Tabosa (PE), “Cítrica” Marjory Kumabe (SP), “Como Era Gostoso Meu Cafuçú” de Rodrigo Almeida (PE), “O Corpo Nu” de Diego Carvalho Sá (SP), “Plutão” de Daniel Nolasco (RJ), “Tupinikuirs” de Jefferson Grochovski (PR). Destaque para o longa-metragem “Batguano” (PB) de Tavinho Teixeira. O filme retrata as aventuras noturnas de “Batman” e “Robyn”, que saem à procura de michês em um futuro apocalíptico.

PROGRAMAÇÃO

04/julho – terça-feira

Local: Centro de Artes e Comunicação da UFPE (CAC)

14h às 18h | Oficina:

“Audiodescrição em Filmes Eróticos”, com Andreza Nóbrega

18h às 19h45 | Mesa de abertura:

“O Erótico no Cinema Pernambucano”,

Participantes: Chico Lacerda, Ioanna Pappou e Ruth Steyer. Mediação: Amanda Ramos

lutao - SC

Curta-metragem “Plutão (SC) – Legendagem: Numa meia-luz, um homem musculoso é visto de costas. Ele está com o rosto levemente voltado para a direita revelando a sobrancelha espessa e a barba por fazer.

05/julho – quarta-feira

Local: Cinema do Museu

19h30 | Sessão Cine Às Escuras:

Exibição dos curtas “Como Era Gostoso Meu Cafuçú” (PE) e “Baunilha” (PE)

Fachada com ladrilhos vermelhos de um cinema com um letreiro no alto “Cenas de sexo explícito. Como Era Gostoso Meu Cafuçu”.

Curta-metragem “Como era gostoso o meu cafuçu” (PE) – Legendagem: Fachada com ladrilhos vermelhos de um cinema com um letreiro no alto “Cenas de sexo explícito. Como Era Gostoso Meu Cafuçu”.

06/julho – quinta-feira

Local: Cinema do Museu

18h | Sessão Cine Às Escuras:

Exibição dos curtas “Plutão” (RJ) e “O Corpo Nu” (SP)

Uma mulher de sutiã vermelho está sentada, de costas para nós, e diante de uma mulher, de sutiã claro, que está sentada, de pernas abertas numa cama de solteiro. Na parede, pôsteres de Fábio Junior jovem.

Curta-metragem “Através” (SP) – Legendagem: Uma mulher de sutiã vermelho está sentada, de costas para nós, e diante de uma mulher, de sutiã claro, que está sentada, de pernas abertas numa cama de solteiro. Na parede, pôsteres de Fábio Junior jovem.

07/julho – sexta-feira

Local: Cinema do Museu

19h30 | Sessão Cine Às Escuras:

Exibição dos curtas “Cítrica” (SP), “Através” (SP) e “Tupinikuirs” (PR)

Num estúdio, uma câmera ligada diante de um diretor conversando com um ator nu que segura uma peça de roupa à frente da genitália.

Curta-metragem “O Corpo Nu” – Legendagem: Num estúdio, uma câmera ligada diante de um diretor conversando com um ator nu que segura uma peça de roupa à frente da genitália.

08/julho – sábado

Local: Cinema do Museu

19h30 | Sessão Cine Às Escuras:

Exibição do longa-metragem “Batguano” (PB)

SERVIÇO

Cine Às Escuras – Mostra Erótica de Cinema Acessível

De 4 a 8 de julho

Centro de Artes e Comunicação da UFPE (CAC) e Cinema do Museu

Entrada gratuita

> Informações: (81) 971163535

                       

Compartilhe este post e seus comentários

Deixe seu comentário

Copyright © 2017 - Julieta Jacob - Todos os direitos reservados