para maiores de 18 anos

10
jul 2017

Clitóri-se: curso online mostra a anatomia sexual em detalhes e desmistifica o prazer feminino

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

Você já conhece o curso online CLITÓRI-SE? Ainda não? Então chega mais! Desde a história antiga até os dias atuais, o clitóris foi desacreditado, descartado e suprimido – e o prazer das mulheres tem sido, muitas vezes, negligenciado. Prova disso é que, apesar do avanço da Ciência, a anatomia completa do clitóris só foi descoberta há 20 anos. Inacreditável!

clitori-se

Por isso, este curso vem apresentar – sem tabus, sem vergonha e sem mitos – a anatomia e a fisiologia da mulher de forma simples, afetiva e descomplicada, possibilitando reescrever as regras em torno do sexo, do prazer e do corpo feminino. Uma nova história contada por nós, mulheres.

O curso CLITÓRI-SE elaborado com muito cuidado e carinho por mim e Caroline Arcari (minha sócia e parceira) e o melhor: é totalmente on-line! Você pode fazer da sua casa, não importa em que parte do planeta você esteja! Não é demais?

Eu e Carol explicamos como o curso funciona e ainda anunciamos uma surpresinha no final:

Gostou? Para se inscrever no curso, basta acessar este link >>> http://institutocores.eadbox.com/cursos/clitori-se.

Mas se você ficou em dúvida, a gente esclarece algumas questões sobre o curso CLITÓRI-SE para você:

– Quando devo me inscrever?

Quando sentir aquela vontade irresistível das Deusas! De preferência HOJE mesmo para aproveitar nosso desconto especial!

 Então quer dizer que não preciso esperar a próxima turma abrir?

Claro que não. E quem tem tempo a perder nessa vida? Vem agora! Nosso curso é um portal sempre aberto (só os portais promocionais é que fecham de vez em quando, por isso aproveita!!!). Você pode se inscrever a qualquer hora, até de madrugada. O curso não é oferecido por turmas, é uma experiência privativa, individual e única (uau!!!).

– Sou muito ocupada(o). Será que vou conseguir fazer o curso?

Claro que sim! Pensa comigo: você tem 02 meses para acessar 40 horas de conteúdo. Você faz no seu ritmo, sem pressa, e nos horários mais convenientes para você. Isso mesmo! É você que gerencia o seu tempo! Já tivemos uma aluna que concluiu o curso em dois dias e meio, mas aí vai da empolgação e da disponibilidade de cada pessoa.

– Não tenho certeza se esse curso é pra mim… como posso saber?

Simples! Basta responder à seguinte pergunta: você quer aprender sobre sexualidade, sobre a história do clitóris (sim, ele tem uma biografia digna de um best-seller), sobre anatomia e fisiologia do prazer sexual, sobre orgasmo e masturbação, quer reescrever as regras em torno do sexo e do seu corpo – tudo isso por meio de uma linguagem simples e afetiva, com uma abordagem interdisciplinar, ao som de uma playlist baphônica e ainda com atividades gostosas para relaxar? Se a sua resposta for um sonoro QUERO, esse curso é para você!!! Vem clitorisar!

– Só faço o curso se tiver certificado. O Clitóri-se oferece?

Sim. Nosso certificado é emitido pelo Instituto CORES, válido em território nacional na modalidade Cursos Livres, de acordo com a Resolução 5.154/2004 do MEC. Você pode utilizar o certificado para completar horas extracurriculares e preencher exigências em Concursos Públicos. Para isso, basta acessar 100% do conteúdo proposto e responder ao nosso quiz no final do curso.

– Trabalho com o público feminino, será que o curso CLITÓRI-SE vai me ajudar a ampliar o aprendizado sobre sexualidade feminina?

Com toda certeza. O perfil das nossas alunas é bem diverso: temos mulheres da área de saúde (como fisioterapeutas, psicólogas, ginecologistas), da área de assistência social, educadoras, empresárias de sexshops, estudantes de cursos de sexualidade e ainda mulheres que querem conhecer melhor o seu corpo e a sua sexualidade. Também temos homens interessados na sexualidade feminina, o que é ótimo! Você pode fazer o download dos nossos e-books para ler e consultar quando quiser! É um excelente material de suporte para quem trabalha com essa temática.

– Como faço o pagamento do curso?

Você que escolhe: pode ser on-line pelo cartão de crédito (com opção de parcelamento sem juros através do PagSeguro) e, para quem não usa cartão, temos a opção de pagamento via boleto bancário (gerado pelo próprio PagSeguro) e também depósito em conta (fornecemos os dados às pessoas interessadas).

– Maravilha, quero fazer o curso! Como faço a inscrição?

Essa é a parte mais simples: basta acessar este link >>>http://institutocores.eadbox.com/cursos/clitori-se >>> e depois clicar no botão que mostra o valor promocional (de 199 por 169). Siga o passo a passo até completar a compra e seja bem-vinda(o) à nossa Clitolândia!!!

– Opa, me inscrevi no curso, mas estou com problemas para acessar a plataforma, o que faço?

Bom, isso nunca aconteceu, mas fica tranquila(o)! Estamos sempre a postos para te ajudar! Basta nos enviar um e-mail no falecom@institutocores.org.br que a gente entra em ação rapidinho para dar suporte no que for preciso!

Tem outra dúvida que não foi esclarecida? Escreve pra gente pelo amor das Deusas!

Uma coisa é certa: será um grande prazer te ter como aluna(o).

nenhum comentário

2
jul 2017

Mostra erótica Cine Às Escuras chega à sua segunda edição

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

Mostra erótica acessível reúne curtas-metragens, um longa-metragem, oficina e mesa de debate para tratar da sexualidade. Evento acontece na UFPE e no Cinema do Museu/FUNDAJ nos dias 4 a 8 de julho. A entrada é gratuita e a censura é de 18 anos

 Texto: Victor Lacerda

Tratando da manifestação da sexualidade, Recife recebe a segunda edição do Cine Às Escuras – Mostra Erótica de Cinema Acessível, nos dias 4 a 8 de julho. O evento, pioneiro no estado, tem por objetivo o protagonismo e empoderamento dos corpos e desejos, tendo como foco a inclusão de pessoas com deficiência. As sessões acontecerão no Cinema do Museu/FUNDAJ e traz curtas de diversos lugares do Brasil e um longa-metragem paraibano. Já no Centro de Artes e Comunicação da UFPE, serão realizadas a oficina Audiodescrição em Filmes Eróticos e a mesa de debate O Erótico no Cinema Pernambucano. A censura é de 18 anos.

citrica

Curta-metragem “Cítrica” (SP) – Legendagem: Uma mulher magra, de pele clara, usa lingerie preta com sutiã transparente. Ela está sentada de perfil para direita com a perna esquerda flexionada, o tronco e cabeça pendentes para trás. Próximo à mulher, há um ventilador de mesa com fitas metálicas presas à grade dele.

“O Cine Às Escuras visa ser uma referência em acessibilidade comunicacional no audiovisual apresentando todos os curtas com audiodescrição, Libras e Legendagem para surdos e ensurdecidos”, afirma a coordenadora da mostra Andreza Nóbrega, da VouVer Acessibilidade. Para sua realização, o evento conta com o incentivo do Governo do Estado através do Fundo de Incentivo à Cultura (Funcultura Audiovisual) e a participação de audiodescritores, locutores, intérpretes/tradutores de Libras, legendistas e consultores com deficiência visual e surdos.

leia o post completo »

nenhum comentário

11
jun 2017

Projeto Clitóri-se traz para o Brasil comercialização do modelo anatômico do clitóris em 3D

 
publicado em: educação sexual
por: Julieta Jacob
 

Ufa! Foram quatro meses de trabalho árduo regado a conversas instigantes, descobertas incríveis, boas risadas e muita, muita parceria. Está no ar o Projeto CLITÓRI-SE, idealizado e gestado com muito carinho por mim e Caroline Arcari.

jjj

As educadoras sexuais Julieta Jacob (esq.) e Caroline Arcari estão à frente do CLITÓRI-SE!

Clitóri-se é uma metáfora pela liberdade, soberania sobre o próprio corpo, saúde e cidadania. A soberania sobre o próprio corpo é, sobretudo, um ato político.

leia o post completo »

1 comentário

9
maio 2017

Prostituição no Brasil: regulamentar é o melhor caminho? Entenda o projeto Gabriela Leite

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

O assunto é polêmico. Tramita no Congresso Nacional  um projeto de lei que pretende regulamentar a prostituição. É o PL Gabriela Leite. Desde 2003 a prostituição já é uma ocupação reconhecida pelo Ministério do trabalho no país.

“Ser prostituta ou prostituto não é crime no Brasil. O que é crime são as condutas correlatas, como a manutenção da casa de prostituição, a exploração e o crime de rufianismo, aquele agenciador que aufere lucros com o programa da prostituta”, explica o advogado Pedro Josephi, que é também assessor jurídico da Associação Pernambucana das Profissionais do Sexo. Ele foi o meu entrevistado no programa Erosdita que debateu a regulamentação da prostituição.

foto-c-pedro

O advogado Pedro Josephi acredita que o PL Gabriela Leite ainda passará por adaptações durante a sua tramitação para se adaptar às diferentes realidades das prostitutas no país.

Pedro, que defende a regulamentação da atividade, explicou com detalhes o projeto Gabriela Leite: “O projeto descriminaliza as condutas correlatas e prevê que o cafetão pode obter até 50% do valor do programa. Passando dessa metade, configuraria exploração sexual. O PL Gabriela Leite também estabelece aposentoria especial com 25 anos de contribuição”, detalha o advogado.

Entretanto, o projeto não foi recebido de forma favorável pela coordenadora da Associação Pernambucana das Profissionais do Sexo, Nancy Feijó, que atua como prostituta há mais de 40 anos. “Esse projeto, se for aprovado, não vai trazer nenhum benefício para as prostitutas de rua porque elas não vão ter a garantia de direitos como uma trabalhadora que trabalha numa boate, por exemplo, que tem carteira assinada, tem hora pra pegar e largar, décimo terceiro… quem é que vai pagar a essas mulheres que vivem nas pistas, nas praças? Pra mim, são dois pesos, duas medidas”, opinou Nancy.

Para entender melhor o que propõe o projeto que pretende regulamentar a prostituição, assista à entrevista com Pedro Josephi no programa Erosdita:

ASSISTA AO PROGRAMA COMPLETO:

leia o post completo »

nenhum comentário

5
maio 2017

“O Recife ocupa o topo do ranking da LGBTfobia do Brasil. A universidade faz parte dessa cultura”, analisa professora Luciana Vieira

 
publicado em: Especial UFPE, LGBT
por: Julieta Jacob
 

Reportagem*: Cesar Castanha, Felipe Soares, Henrique Souza, Luiza Ribeiro, Vinícius Maranhão e Victoria Ayres.

Para falar de LGBTfobia e lesbofobia,  a gente volta a abril de 2016, quando a Revista Veja, publicou um perfil de Marcela Temer, esposa do então presidente interino Michel Temer, sob o título Marcela Temer: bela, recatada e “do lar”. O texto representa uma figura feminina que cumpre um papel decorativo no atual conflito político brasileiro. Como “recatada e do lar”, ela é esposa de Michel Temer, nada mais. Seu cotidiano se restringe a salões de beleza e à criação de Michelzinho, filho do casal. O perfil termina com a frase “Michel Temer é um homem de sorte”, como se a representação que o texto faz de Marcela Temer fosse a representação de uma mulher ideal.

a professora luciana

“Discutir gênero e sexualidade é um dos caminhos para desconstruir a cultura patriarcal, machista e LGBTfóbica”, analisa a coordenadora da Diretoria LGBT da UFPE, Luciana Vieira.

O perfil publicado na Veja é apenas uma de várias pistas para como o espaço a ser ocupado pela mulher é percebido nessa sociedade predominantemente patriarcal, em que o homem é visto como figura de comando e a mulher deve ser submissa a ele. Outra evidência, bem mais sombria, surge de um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), que estipula um número de cerca de 5 mil mortes por ano causadas pelo feminicídio no país.

A vulnerabilidade da mulher no espaço público se agrava no caso das mulheres lésbicas. As lésbicas são vistas como um grupo indisponível ao desejo masculino. E o simples fato de serem mulheres que vivem sua sexualidade entre si, sem a participação dos homens, é visto como uma afronta à sociedade heteronormativa (e também patriarcal) em que vivemos, onde a heterossexualidade é legitimada como modelo a ser seguido. Quem não se encaixa nesse padrão é vítima de violência física e psicológica.

Nem sequer em espaços públicos, onde o respeito à diferença deveria existir, as mulheres lésbicas estão salvas desses abusos. Como enfrentamento à opressão de que são vítimas, elas têm se organizado para construir espaços próprios, como no caso da festa Ocupe Sapatão, e para ocupar coletivamente espaços hostis, como o bloco de Carnaval Ou Vai ou Racha. Nas universidades, o movimento feminista e LGBT pensam políticas de inclusão e combate à misoginia e LGBTfobia nos campus. Como coordenadora da Diretoria LGBT, a professora Luciana Vieira está à frente dessa missão da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Conversamos com ela para conhecer as iniciativas da diretoria que visam garantir às mulheres lésbicas e às minorias LGBT o direito de vivência da sua sexualidade e gênero no espaço do campus.

Entrevista

EROSDITA – A UFPE é um lugar seguro para uma mulher lésbica viver sua sexualidade publicamente?

Não tenho como responder a essa questão porque, para isso, precisaríamos de uma pesquisa para mapear a lesbofobia na UFPE. Estamos fazendo uma pesquisa que vai ficar vinculada ao Siga para medir a lgbtfobia da UFPE e traçar o perfil da comunidade LGBT da universidade, mas ainda não temos esse mapeamento feito.

O Brasil, e também especificamente a cidade do Recife, não são lugares para a mulher lésbica viver sua sexualidade publicamente. Infelizmente, o Recife ocupa o topo do ranking da lgbtfobia do país. A universidade também faz parte dessa cultura LGBTfóbica. Foi exatamente por se saber disso que se criou a Diretoria LGBT, para pensar ações de conscientização e sensibilização da comunidade acadêmica em relação à LGBTfobia, entre outras questões.

leia o post completo »

nenhum comentário

4
maio 2017

Terapia de casal é alternativa para evitar divórcio: “Falta de sexo e traição são os principais motivos”, revela psicóloga

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

De acordo com o IBGE, no período de 2014 a 2014, a taxa de divórcios no Brasil cresceu mais de 160%. Mas antes de chegar na separação, uma saída para “salvar” o relacionamento é a terapia de casal. Eu conversei com a psicóloga clínica Adriana Barros, que trabalha com esse tema há 15 anos (assista à entrevista completa no vídeo abaixo).

Para a psicóloga clínica Adriana Barros diálogo e empatia são fundamentais para manter a saúde dos relacionamentos.

Para a psicóloga clínica Adriana Barros diálogo e empatia são fundamentais para manter a saúde do relacionamento.

Se você não sabe qual é a hora de procurar ajuda, atenção: “No momento em que o casal não consegue mais ter uma relação saudável, é quando entra a necessidade de tentar descobrir o que está acontecendo. É onde entra a psicoterapia de casal ou terapia conjugal, que vem para ajudar as pessoas a perceberem como é que está o seu papel na relação. A terapia vai trabalhar em cima da remoção do conflito, mas é também um processo de autodescoberta”, explica Adriana.

Outro mito é pensar que o casal que busca terapia vai acabar se separando: “Quando o casal chega para a terapia, está muito claro que não existe intenção de se separar, pelo contrário. O que se quer é salvar, é melhorar o casamento. Quando um dos cônjuges tem certeza que quer se separar, nem cabe terapia. Ela só seria indicada para auxiliar no processo de separação, que quase sempre é doloroso”.”, analisa a psicóloga. Ela explicou ainda que a iniciativa geralmente é das mulheres (embora os homens estejam procurando cada vez mais) e que os principais motivos que levam à terapia são falta de sexo e traição. “Muitas vezes o casal precisa de ajuda para voltar a conversar porque o diálogo cessou”. Para saber todos os detalhes sobre esse assunto, é só conferir o programa Erosdita sobre o tema aqui abaixo:

ASSISTA À ENTREVISTA COMPLETA COM A PSICÓLOGA ADRIANA BARROS:

 

leia o post completo »

nenhum comentário

21
abr 2017

“O ponto do marido é uma prática machista que atrapalha a vida sexual da mulher”, afirma obstetra Leila Katz

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

Você já ouviu falar no chamado “ponto do marido”? É um ponto realizado em mulheres para que a vagina fique mais “apertadinha” depois do parto. E para quê? Para dar mais prazer ao homem durante o sexo, já que, depois de um parto normal, a vagina da mulher ficaria “folgada”.

img_4769

No programa Erosdita desta semana eu conversei sobre violência obstétrica com a obstetra Leila Katz, que há quase uma década não realiza episiotomia em suas pacientes.

A verdade é que essa prática é uma forma de violência obstétrica. Apesar de toda mulher ter o direito de parir com respeito e dignidade, uma em cada cinco brasileiras sofre violência no parto, que é também uma violação de Direitos Humanos. No programa Erosdita desta semana, eu conversei sobre o assunto com a obstetra Leila Katz, que foi categórica: “Não há justificativa alguma do ponto de vista clínico para o ‘ponto do marido’. É uma atitude machista que pode inclusive atrapalhar a vida sexual da mulher. Há casos em que a mulher precisa ser operada depois para folgar a vagina por não conseguir ter relação sexual por causa desses malditos pontos”, afirmou Leila.

Nós também conversamos com a doula Júlia Morim, que é ativista pela humanização do parto e do nascimento, sobre os direitos da mulher durante a gestação e o parto.

Assista ao programa completo aqui:

leia o post completo »

2 comentários

17
abr 2017

“Se a pessoa não tem sexo definido, ela não tem direito a existir”, denuncia mãe de bebê intersexo

 
publicado em: educação sexual, estudos de gênero
por: Julieta Jacob
 

Estima-se que 1,7% da população mundial possua algum estado intersexual visível a olho nu. Mas a intersexualiade ainda é pouco compreendida e, por isso, um grande tabu que precisa ser derrubado para que as pessoas intersexo tenham a sua dignidade reconhecida e respeitada.

ASSISTA AO PROGRAMA EROSDITA SOBRE INTERSEXUALIDADE

A psicopedagoga e educadora sexual Thaís Emília de Campos, que mora no interior de São Paulo, passou por um grande transtorno no nascimento de seu filho mais novo. Como o bebê apresentou ambiguidade sexual, a equipe médica não pôde definir se ele era menino ou menina.

Como consequência, a declaração de nascido vivo, concedida pelo hospital, não foi preenchida e nem entregue, pois o documento exige que se defina o sexo do bebê (e só existem as opções “masculino” ou “feminino”): “Como eu deixei o hospital sem essa declaração, meu filho perdeu o direito ao cartão de assistência do SUS e também ao convênio médico, e eu perdi a licença maternidade no prazo correto. Percebi que se a pessoa não tem sexo definido, ela não tem direito a existir”, denuncia Thaís.

img_4983

A psicopedagoga e educadora sexual Thais Emília de Campos enfrentou muitos transtornos para conseguir registrar o seu bebê intersexual no interior de São Paulo.

A história de Thaís e seu bebê foi contada no programa Erosdita. Nós também conversamos com a advogada Carolina Ferraz, que atua na área de gênero e diversidade sexual. Ela mostrou as questões jurídicas relativas à interssexualidade e alertou que as chamadas cirurgias de “readequação” sexual podem ser, na verdade, mutiladoras. Confira o programa Erosdita completo e inscreva-se no canal para não perder o programa da próxima semana!

img_4738

“Os cariótipos não estão restritos ao xx e xy, existem também os mosaicos, as variações”, explica a ginecologista com atuação em Sexologia Vilma Maria, nossa entrevistada no programa Erosdita (assista ao programa completo).

leia o post completo »

1 comentário

8
abr 2017

Brasil vive pior epidemia de HIV desde 1981: “Os pais acham que os jovens não transam”

 
publicado em: educação sexual, sexo
por: Julieta Jacob
 

A notícia é muito preocupante. Só que ainda mais preocupante é o fato dela estar sendo ignorada – enquanto os números não param de crescer. Talvez você não saiba, mas os casos de infecção por HIV voltaram a aumentar no Brasil, principalmente entre os jovens: subiu 11% na faixa etária de 15 a 24 anos. É a pior epidemia desde 1981, de acordo com o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV (Unaids).

img_4644

Jerônimo Duarte analisou as razões do crescimento do HIV no Brasil no programa Erosdita (assista ao programa completo abaixo).

Eu conversei com Jerônimo Duarte, integrante da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV e Aids (Núcleo Pernambuco) para entender o que explica essa nova epidemia: “Só se fala de Aids no carnaval e o governo acha que basta entregar camisinha, mas é preciso dar ao público outras maneiras de prevenção. Além disso, não se fala de sexualidade nas famílias. Os pais acham que os jovens não transam e aí a informação não chega a tempo, e quando as pessoas chegam ao serviço de saúde, já estão infectadas”, avalia Jerônimo.

Nós também ouvimos a opinião de Jô Menezes, coordenadora de projetos da ONG Gestos, para entender as causas do crescimento de casos de HIV no país: “As discussões sobre sexualidade têm perdido espaço nos serviços de saúde e nas escolas. Há quem ache que essa é uma discussão pra ser feita na família, mas as famílias não estão preparadas e não querem fazer. A escola é o local onde o jovem se sente mais à vontade. Precisamos de diálogos francos e abertos”, analisa Jô.

Assista ao programa completo aqui:

leia o post completo »

40 comentários

3
abr 2017

“O essencial é o clitóris”: especialista em sexualidade desmistifica o orgasmo feminino

 
publicado em: sexo
por: Julieta Jacob
 

“Qual é a diferença entre o orgasmo vaginal e o clitoridiano”? Essa pergunta tem perturbado muitas mulheres desde que Freud resolveu concluir que o “orgasmo maduro” é aquele obtido pela vagina, enquanto o “clitoridiano” seria o orgasmo da mulher “imatura”. Pois bem. Décadas se passaram desde essa afirmação e muitas mulheres ainda se perguntam por que não conseguem gozar APENAS com a penetração do pênis na vagina.

img_4682

A ginecologista e terapeuta sexual Angelina Maia também é autora do livro “O papel da vulva e da vagina no prazer sexual feminino”.

Ora, a resposta é muito simples: porque a vagina é praticamente insensível. Apenas 30% das mulheres dizem atingir o orgasmo pela via exclusivamente vaginal. E olha que, mesmo nesse caso, é o clitóris quem comanda o orgasmo! Não, você não precisa estar entre essas mulheres. Mas precisa saber – e jamais esquecer – que o principal e mais poderoso órgão sexual da mulher é o clitóris. E não, ele não é só um pontinho pequenino na vulva. Aquela parte visível é “só a cabecinha”, ou a ponta do iceberg.

A ginecologista e terapeuta sexual Angelina Maia, que é também especialista em vulva – ou vulvóloga – foi a nossa convidada no programa Erosdita e explicou direitinho como é que funciona a excitação e o orgasmo da mulher. A entrevista tá im-per-dí-vel!

Confira a entrevista com Angelina Maia no vídeo abaixo:

leia o post completo »

5 comentários
Page 1 of 4912345»102030...Last »

Copyright © 2017 - Julieta Jacob - Todos os direitos reservados